Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Verónica de Medeiros

por Sobre.tudo, em 17.12.17

A Verónica (veronicademedeiros@outlook.pt) gosta de escrever sobre questões laborais.

Trabalha bestialmente bem, mas - gosta pouco. 

É exímia a dar a entender que é uma excelente profissional, chegando ao cúmulo de, por vezes, perder mais tempo a fingir que trabalha do que a trabalhar propriamente dito. 

É esforçada, mas só enquanto sente que o seu trabalho é reconhecido e valorizado. É a típica necessitada das palmadinhas nas costas. Se não lhe batem nas costas e não lhe vão alimentando o ego profissional, desmotiva-se. É este o principal motivo por já ter passado por uma mão-cheia de empregos em pouco mais de 10 anos de carreira profissional. Como é extremamente inventiva, apresenta-se como versátil no mercado de trabalho. A verdade é que se aborrece com infinita facilidade.

Quando inicia um novo emprego empenha-se a 200%. Dá tudo e consegue tudo. E quando consegue tudo. Aborrece-se. 

A verdade é que esta mulher consegue mesmo fazer tudo aquilo a que se proponha. Costumo dizer-lhe que se lhe puserem um bisturi na mão e lhe explicarem o que fazer com ele, ela se torna numa cirurgiã de sucesso. Mas só até ter dissecado tudo o que essa profissão tiver para lhe oferecer, depois, aborrece-se. 

Não sei se algum dia vai assentar. É provável que não. 

Em tempos - há muito tempo! - acreditou que queria um emprego de secretária - leia-se, o móvel -  onde pudesse colocar fotografias e objectos pessoais e ficar ali para sempre. Cedo percebeu que se arriscava à morte por tédio. Revelou-se uma excelente comercial, mas diz que detesta vender. É uma comunicadora cativante, mas diz que se entedia a falar com pessoas. Nunca acaba por se especializar em nada. Vai sendo boa em tudo nunca chegando a ser a melhor em nada. Acredito que é porque não quer. 

Tem umas opiniões muito próprias sobre uma série de coisas e graves problemas com a autoridade. É incapaz de chegar pacificamente a um local de trabalho. Não. Chega e provoca logo uma confusão:

- 'Acho que isto podia ser feito de maneira diferente, não achas?';

- 'Isto parece-me um nadinha amador, podemos melhorar?

- 'Admiro imenso o que criaste até agora, mas creio ser o momento de mudar!'

E vai-se infiltrando, infiltrando até conseguir mudar o que há a mudar, melhorar o que houver (e o que não houver também) e quando tudo está encaminhado já ela está aborrecida há dois meses. Tempo de seguir. Deixa saudades por onde passa porque é absolutamente irritante. Insuportável. 

Tem uns princípios régios, quase inflexíveis. Incrivelmente leal. Responsável, sabe perfeitamente quando tem de parar de procrastinar e entregar serviço, motivo pelo qual a grande maioria dos colegas e chefias a caracterizariam como uma força de trabalho. E é. Depende é da perspetiva!

Desde que a conheço que diz que quer ter um emprego que lhe permita viajar. É fã de hotéis, mais propriamente do pequeno-almoço dos hotéis. Imagina-se tranquilamente a ter um emprego que lhe exija deslocações internacionais frequentes e eu também acredito que talvez uma carreira internacional a provesse da realização profissional que tanto almeja.

Mafalda Cassi

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:40



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais sobre mim

foto do autor